NOTÍCIAS

Assassinato de Cachorro no Carrefour gera mais comoção que morte de rapaz pobre

Tanto cachorra, quanto rapaz, foram mortos por um segurança que queria afastar-los de estabelecimento

Recentemente, o assassinato de uma cachorra no Carrefour acabou causando enorme comoção na internet. O animal foi morto na unidade Osasco do supermercado e, desde então, iniciou-se um movimento chamado de “boicote” contra a marca.

Anúncios

Curiosamente, a morte da cadela já repercutiu mais do que a de um jovem da periferia de São Paulo. O skatista Marcos Tonioli, conhecido como Suco, 17 anos, estava andando de skate com amigos no posto de combustível, quando acabou sendo assassinado por um segurança da unidade.

Cachorro do Carrefour recebe mais de 1,7 milhão de assinaturas em abaixo-assinado

No caso do cachorro do Carrefour, o animal foi morto a pauladas. No do rapaz, após uma discussão, o skatista foi abatido a tiros. Na ocasião, um abaixo-assinado chegou a ser feito pedindo que as autoridades fizessem algo. Mais de 5 mil pessoas assinaram o termo.

Anúncios
Cachorro morto no Carrefour gera mais comoção que morte de adolescente em São Paulo - Foto/Divulgação
Cachorro morto no Carrefour gera mais comoção que morte de adolescente em São Paulo – Foto/Divulgação

No entanto, no caso da cachorra, foram mais de 1,7 milhão de assinaturas em três dias. O número de pessoas envolvidas no assunto não para de crescer, o que prova o quanto esse termo mexeu com as pessoas de todo o Brasil.

Morte de cachorra do Carrefour gerou mais repercussão nas redes sociais do que crime contra ser humano

De acordo com o R7, uma reportagem sobre a liberdade do agressor da cadela atingiu mais de 200 mil interações em menos de um dia, enquanto a do jovem não teve dez mil interações na internet.

Nove meses depois da morte do filho, Rosângela Tonioli, mãe de Marcos Suco, afirma que toda a família foi afetada pela tragédia, principalmente pela falta de uma punição — o suspeito de matar o jovem ficou preso por 40 dias. “Nós, como pais de vítimas, queríamos ver as coisas acontecendo mais rápido, porque a Justiça brasileira é muito lenta“, explicou.

TAGS

Hugo Soares

Hugo Soares se formou em jornalismo pela Cásper Líbero, mas desde 2015 vive em Duque de Caxias. Jovem e interessado, Hugo é um dos mais atuantes de nossa equipe.

ARTIGOS RELACIONADOS