A Polónia está a votar em eleições de alto risco enquanto um partido populista no poder se agarra ao poder

Rob Pichetta

Um cartaz desfigurado de um candidato do PiS voa no ar em Varsóvia. A campanha eleitoral da Polónia tem sido tóxica, com as sondagens a mostrarem um resultado apertado.



CNN

Votação realiza-se no domingo na Polónia Um jogo de alto risco e imprevisível As eleições nacionais, os seus resultados, a direcção do país, o equilíbrio de poder na União Europeia e O futuro da guerra na Ucrânia.

O partido populista Lei e Justiça, envolvido numa dura luta com a União Europeia durante os seus oito anos no poder, procura a sua terceira vitória eleitoral consecutiva, um feito sem precedentes desde que a Polónia recuperou a independência da União Soviética.

Lei e Justiça, conhecida pela sigla polaca PiS, enfrenta forte concorrência de uma oposição unida liderada pelo antigo primeiro-ministro polaco e presidente do Conselho Europeu, Donald Tusk.

O PiS foi acusado pela União Europeia e pela oposição polaca de minar as instituições democráticas da Polónia durante o seu período no poder. O PiS colocou o poder judicial polaco, os meios de comunicação públicos e as instituições culturais sob maior controlo governamental e assumiu uma posição linha-dura contra o acesso ao aborto e os direitos LGBTQ+.

Durante uma campanha amarga, o partido reagiu à coligação de oposição de Dusk, com o antigo líder a dizer que capitularia perante Bruxelas e Berlim se regressasse ao poder.

A inflação elevada e a segurança das fronteiras da Polónia estiveram no centro das atenções dos eleitores durante a campanha. Os desenvolvimentos em Kiev serão acompanhados de perto após um período tenso em que as relações entre os dois aliados próximos se deterioraram.

A Polónia tem sido um aliado fundamental da Ucrânia na luta contra as forças russas no leste, mas Varsóvia criticou duramente o governo da Ucrânia durante uma disputa sobre as importações de cereais ucranianos.

READ  Nokia cortará 14 mil empregos após queda nos lucros

Os eleitores elegem membros de ambas as câmaras do parlamento polaco, a câmara baixa de Varsóvia, o Sejm, que tem 231 assentos – tudo o que é necessário para um partido tomar o poder.

Se não conseguirem garantir uma maioria absoluta na votação de domingo, os dois maiores blocos tentarão entrar numa coligação ou num acordo informal que lhes permita governar.

Tem havido especulação sobre se o PiS chegará a um acordo com a Confederação, um partido de extrema direita que tem lutado contra o apoio à Ucrânia e conquistou alguns ex-eleitores do PiS em áreas rurais.

Mas qualquer acordo complicado de partilha de poder poderá aumentar a probabilidade de novas eleições no futuro.

A votação termina às 21h (15h ET) na Polônia no domingo, com resultados esperados durante a noite.

Leave a Comment

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Scroll to Top