O deputado Bowman acusou o Congresso de acionar o alarme de incêndio quando não havia emergência



CNN

O deputado Jamal Bowman, democrata de Nova York, foi acusado pelo procurador-geral de DC de soar um alarme de incêndio em um prédio de escritórios da Câmara quando não havia emergência.

Bowman foi intimado a comparecer ao Tribunal Superior de DC às 9h30 de quinta-feira, onde o congressista deverá se declarar culpado. Ele também será autuado, suas impressões digitais serão coletadas e processado por acusações de contravenção.

Se ele cumprir os termos de um acordo com a Procuradoria-Geral de DC, incluindo três meses de liberdade condicional, a acusação de contravenção será retirada. O acordo exige que Bowman apresente um pedido formal de desculpas à Polícia do Capitólio dos EUA e pague uma multa de US$ 1.000 por acionar indevidamente um alarme de incêndio, disse seu escritório à CNN.

“Estou grato pela rápida resolução deste assunto pelo Gabinete do Procurador-Geral do Distrito de Columbia e pelo reconhecimento do Gabinete do Conselheiro Geral da Polícia do Capitólio dos EUA de que eu não pretendia ou não pretendia obstruir qualquer votação ou ação da Câmara”, disse Bowman. Uma declaração na quarta-feira. “Sou responsável por ativar o alarme de incêndio, pagarei as multas aplicadas e espero que essas acusações acabem sendo retiradas”.

O Gabinete do Procurador-Geral de DC disse em um comunicado que “Bowman foi tratado como qualquer outra pessoa que infringe a lei no Distrito de Columbia”.

“Com base nas provas apresentadas pela Polícia da Capital, cobramos o único crime que tínhamos competência para processar. Ele se declara culpado e concorda em pagar a multa máxima”, disse o escritório.

No final de setembro, pouco antes da inauguração da Câmara, Bowman foi flagrado acionando um alarme de incêndio no prédio de escritórios da Cannon House. Votação do Projeto de Lei de Finanças do Governo. O prédio foi posteriormente evacuado.

READ  Piloto de fuzileiros navais morre em acidente norueguês

O congressista disse após o incidente que foi um acidente.

“Eu estava tentando chegar a uma porta. Achei que o alarme abriria a porta e acidentalmente acionei o alarme de incêndio para abrir a porta”, disse Bowman na época, acrescentando: “Eu estava tentando votar e a porta normalmente aberta não abriu. Abriu, fechou.”

Numa entrevista com um oficial do USCP após o incidente, Bowman disse que estava “tentando sair do prédio”, “abrindo uma porta e puxando a alavanca próxima a ela, o que deveria ter sido um aviso”.

Bowman disse que a porta era “uma porta normal que ele usa” e que não queria causar preocupações de segurança ou interromper os procedimentos do Congresso, escreveu o funcionário do USCP no depoimento. O policial observou que vários sinais de saída de emergência foram afixados na porta.

“O arguido afirmou que a porta ainda não estava aberta e dirigiu-se ao primeiro andar para sair”, afirma o depoimento.

Bowman disse ao oficial que ouviu um alarme e “estava com pressa porque as votações foram convocadas e ele não queria perder a votação para financiar o governo”, segundo o depoimento. Ele não contou a ninguém o que aconteceu, apesar de ter passado por vários oficiais do USCP imediatamente após o incidente.

Esta história foi atualizada com detalhes adicionais.

Leave a Comment

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Scroll to Top